>> Ouça este episódio

Eu sou Paulo Caroli e este é o Podcast Mínimo Viável, onde compartilho conhecimento sobre as novas relações de trabalho e, assim, contribuo para a transformação de um mundo melhor.

Trinta e um de dezembro eu aqui agora refletindo um pouco sobre o ano que passou, o ano que vai vir e pensando a resolução de Ano Novo. Muitos anos passaram, sempre fiz resolução de Ano Novo, como muitas pessoas. Esse ano eu decidi: minha resolução de Ano Novo é não fazer mais resolução de Ano Novo. Não que eu tenha nada contra resoluções e objetivos, muito pelo contrário, acho muito importante a gente ter objetivos e metas para cumprir, para motivar, para alcançar alguma coisa grande. Mas, eu acho que não precisa ser só no Ano Novo. Especialmente, esse período anual é um período muito longo.

A gente precisa de metas e objetivos grandes, mas em períodos mais curtos. Por exemplo: em vez de fazer uma resolução uma vez por ano, vamos fazer a cada três meses, a cada mês ou, melhor ainda, a cada duas semanas, a cada semana. Tweet This

Neste ano, eu vou fazer bem diferente, eu gosto de resoluções, eu gosto de metas, mas eu vou fazer na verdade não vai ser nem resolução de Ano Novo, vou fazer meus OKRs, objetivos e resultados chaves, vou fazer para verificar daqui a três meses, em março e pronto. Não vou fazer para o ano inteiro, vou fazer poucos OKRs, de acordo com o trabalho que eu já tenho em andamento e vou decidir o que eu quero entregar em março? Qual o meu objetivo para março? Aí, de novo, vou fazer mais um de três meses e esse ano vai ser assim: vou fazer meus OKRs, as minhas resoluções a cada três meses.

Só que bem importante: não é só fazer os OKRs e pronto colocar eles na gaveta.

Vou fazer os meus OKRs agora para março e vou acompanhar a cada duas semanas, vou abrir, olhar para eles e ver como é que eles estão andando, o que eu fiz para mover o indicador do OKR. Vou deixar marcado toda sexta-feira, de 8h a 8:30 da manhã, para eu olhar o OKR e verificar como é que está indo, o que eu posso fazer para melhorar, o que eu posso fazer para me ajudar a alcançar esse OKR.

Muito relacionado à resolução são as famosas To Do Lists. Eu fazia muito também, eu gosto e desgosto ao mesmo tempo das dessas listas, o To Do, lista a fazer. Primeira parte que eu gosto: às vezes, eu estou cheio de coisa na cabeça, passo na memória e aí você bota lá, eu escrevo um post it, boto na parede do meu lado onde sento e está ali o meu To Do List. Saiu da memória e está ali escrito na parede do meu lado, está na minha To Do List.

A parte que eu desgosto é que, às vezes, tem uma lista enorme que gera ansiedade. Você olha para aquela lista e fala: nossa, olha quanta coisa, olha quanta promessa, que é o que está relacionado ao Ano Novo. Às vezes, a gente fala da resolução de Ano Novo e coloca lá uma lista de coisas que a gente vai fazer e, às vezes, algumas dessas enormes. Não né, isso também gera ansiedade, que é você ficar com aquela lista enorme e você sempre olha para a lista e vem aquela sensação de incompletude, ai ainda não consegui, ainda não consegui, ainda não consegui.

Eu uso o To Do List para tirar da memória, mas eu não uso para gerar ansiedade e ser cobrança para mim mesmo. Tweet This

Eu até fiz esse ano. Por exemplo, a retrospectiva da Caroli.org 2021. Ela só tem o oposto da To Do List é o Done List, o que alcancei e, às vezes, faço muito isso. Chega no final do dia, eu tenho sempre uma To Do List enorme, que eu não completo em um dia, mas chega ao final do dia, para eu me sentir bem, em vez de olhar o To Do List, eu olho o Done List, o que eu completei naquele dia. Eu fico super feliz, faço isso todo dia, toda semana e me motiva, que aí eu olho o que eu completei.

Isso foi a retrospectiva de 2021 da Caroli.org. A gente pegou e fez uma lista rápida de coisas que a gente alcançou em 2021. Isso é interessante, porque a gente precisa comemorar o que a gente já alcançou. Cuidado com a ansiedade das To Do Lists. A gente precisa de um pouco de listas do que fazer, de resoluções, mas cuidado que isso também gera ansiedade.

Então, comemore o que você já alcançou. Essa mensagem é muito importante e acho que a gente faz pouco.

Agora, eu quero falar sobre as retrospectivas. Eu me lembro de criança a retrospectiva do ano X, não vou nem falar do primeiro ano que eu lembro. Era muito legal ver na televisão retrospectiva do ano, de todos os acontecimentos do ano e depois eu me apaixonei por retrospectivas ágeis.

Eu acho importante a retrospectiva. Como eu falei aqui na resolução, você não faz uma só uma retrospectiva por ano. Faz, sei lá, na minha vida pessoal eu faço retrospectiva todo mês para eu olhar aquele mês como que foi, o que foi bom, o que foi ruim e o que eu posso fazer para ser melhor no mês seguinte. Pelo fim do ano, é muito comum a gente também fazer uma retrospectiva. Eu faço minha retrospectiva pessoal, muito a atividade FLAP, em inglês Future direction, Lessons learned, Accomplishments and Problem areas e, de novo, vou pegar uma folha de papel e vou fazer rapidinho do ano de 2021 né, desse ano que passou.

São as minhas direções futuras, vou botar aqui no quadrante o que vier na minha cabeça bem rápido, quais são as lições aprendidas desse ano que se vai, que são as accomplishments, aquelas coisas que eu consegui alcançar em 2021 que eu considero muito importante e áreas problemas são áreas que não foram tão bem assim e as partes que eu quero melhorar.

É importante o espaço e o tempo para reflexão.

É muito interessante isso, porque, no dia 31 de dezembro, muitas pessoas param para fazer uma reflexão. Esse ano, eu tive a sorte quando fiz o Caminho de Santiago, de ter bastante tempo e espaço para parar e refletir e como isso é importante, como a gente deve fazer isso com mais frequência e não somente no dia 31 de dezembro, como a gente tem benefício em fazer isso com maior frequência.

Eu fiz há um tempo atrás e uma das resoluções foi o Podcast. Olha que coisa maravilhosa. Outra coisa que eu fiz também, naquele período que eu estava caminhando e eu vejo que é que nem o espaço entre as palavras: para você conseguir ler uma frase, não são só letras conectadas. É preciso ter um espaço entre as palavras, é preciso ter um espaço entre os parágrafos, é preciso ter os pontos, as vírgulas.

Então, em uma rotina de trabalho ou na rotina do ano, começa o ano letivo e a gente começa a trabalhar, trabalhar, trabalhar e a gente acaba não tendo o espaço e o tempo para refletir. Isso é muito importante não pode ser só uma vez por ano e, hoje, dia 31, como de costume, eu tiro um tempo para fazer uma retrospectiva, quer dizer, não é nem retrospectiva que eu faço, porque tem a parte que você olha para trás, que é a retrospectiva, que usei a atividade FLAP, e a parte que olha para frente para o futuro, que eu usei a atividade de OKR.

Em 30 minutos, no meu timer, para fazer a FLAP, Future direction, Lessons learned, Accomplishments and Problem areas, e outra meia hora para pensar nos objetivos e resultados chaves até março. Então, essa foi a minha retrospectiva desse ano, essas foram as atividades escolhidas, meia hora para cada uma e um bom resultado. Eu consegui refletir bastante sobre 2021 e fazer resoluções curtas por três meses para o primeiro trimestre do ano que está por vir.

Então é isso, desejo a você um excelente ano que está por vir e, se você ainda não tirou essa uma hora de reflexão, que coloque na sua agenda uma hora com você mesmo, uma reunião sua com você mesmo, retrospectiva 2021, futurospective 2022 e que reflita um pouco e faça excelentes resoluções para o próximo ano.

E aqui o episódio de hoje. Espero que você tenha gostado. Eu te peço para se inscrever e recomendar esse podcast na sua plataforma de podcast preferida, como Spotify e YouTube, e nas redes sociais. Ou, como eu prefiro: recomende aos seus amigos. Assim, você me ajuda com a missão de compartilhar conhecimento sobre as novas relações de trabalho, de forma a contribuir para a transformação de um mundo melhor.

 

Notas do episódio

 

>> Adicione nosso podcast a sua playlist