Prezo a flexibilidade que o contrato T & M provê ao fornecedor. Entretanto limites de gasto é a realidade para qualquer cliente com um controle financeiro sadio, e isto precisa estar incluso no contrato. Além disso, muitas organizações optam por detalhar escopo de trabalho em seus contratos.

Sendo assim, tanto clientes quanto fornecedores precisam entender o escopo do trabalho e a sua forma de entrega. A parceria precisa ser fomentada para o início de um relacionamento colaborativo, buscando a formação de um time eficaz e produtivo, apto a realizar entregas de sucesso.

Sugiro a Inception Direto ao Ponto para o entendimento do produto e o alinhamento do time. E apresento as opções de contrato que mais se alinham com esta forma de trabalho.

Ressalto que este post não detalha os termos jurídicos em contratos, mas apresenta uma proposta inicial para contratos a regir uma parceria e forma de trabalho mais ágil, alinhada  e colaborativa.

Contrato T & M

O contrato de Tempo e Materiais ( T & M ), ou Time and Material, em inglês define os pagamentos ao fornecedor com base  nos custo reais para tempo e material: (1)  custos reais de tempo incorrido da mão de obra alocada ao trabalho, normalmente em taxas horárias especificadas (valor Homem-Hora), e (2) custo reais de materiais e uso de equipamentos alocados ao trabalho.

Este tipo de contrato é comumente utilizado quando o escopo não está bem definido. Todavia,, uma reclamação comum deste estilo de contrato é que ele protege o fornecedor, mas o mesmo não fornece proteção para o cliente. O cliente é exposto ao risco de entrega, enquanto o fornecedor não compartilha de tal risco (pelo menos no contrato).

Contrato T & M com limite de gastos

Uma extensão comum de contratos T & M é o contrato T & M com limite de gastos. Estes são contratos T & M até atingir um limite de gastos previamente definido. Tal variação do contrato T & E oferece ao cliente um limite para sua a exposição total.

Mas qual o limite adequado? E no que tal limite deve se basear?

Um limite muito baixo não possibilita que o time construa o mínimo necessário. Um limite muito alto deixa espaço para o time seguir construindo algo que já poderia retornar valor. Tal pensamento é análogo ao pensamento e raciocínio por trás de MVP, o produto mínimo viável.

Ok, mas MVP não é a versão final de um produto, mas sim a versão mínima e viável a ser disponibilizada em um dado momento. O time, bem provavelmente, vai seguir incrementando tal produto, ou seja, trabalhando no MVP (ou incremento do produto) seguinte.

Contrato de entregas incrementais (MVP)

Um contrato para entregas incrementais, estruturado com pontos de inspeções regulares para a validação dos incrementos do produto. Desta forma, mitigando o risco do cliente gastar muito dinheiro antes de ver o resultado. Quanto menor o incremento do produto, mais rápida será a validação.

Vale ressaltar que isto somente estará mitigado para incrementos realmente pequenos, que podem ser validados em semanas.

Novamente sugiro MVP para balizar o incremento do produto a ser validado. MVP com M maiúsculo, dando ao cliente a segurança e a visibilidade de que o fornecedor está construindo o mínimo desejável.

Proposta de contrato

Proponho a combinação de contratos no estilo A + B para novos parceiros, e a combinação de contratos no estilo A + C para parcerias bem estabelecidas.

A – Contrato para o entendimento do produto

Um contrato simples, entre cliente e fornecedor, baseado em horas ou dias de tabalho no qual fica definido que ambos trabalharão juntos por uma ou duas semanas para definir o produto e o planejamento do ritmo de entrega com seus entregáveis (MVP).

B – Contrato de entrega incremental (baseada em MVP)

Um contrato para entregas incrementais, estruturado com pontos de inspeções regulares para a validação dos incrementos do produto, os MVPs identficados na fase de entendimento do produto, regida pelo contrato A.

C – Contrato T & M com limite de gastos.

Um contrato T & M com limite de gastos e definição de duração. Os limites de gasto bem como a diuração esperada são definidas a partir da fase de entendimento do produto, regida pelo contrato A.

Mais links neste assunto:

Contratos – Regimes de Contratação

Os regimes de contratação, segundo a visão do PMI

Tipos de contratos – Wikipédia

 

Inscreva-se no próximo treinamento do livro Lean Inception.

 

Interessado nesse assunto?

Confira esse livro sobre lean, contratos, e métricas de software (Pontos de Função, SNAP e Cosmic): Enxugando a Máquina: Lean MVP & Pontos de Função