Na ThoughtWorks tentamos dar apoio e promover o que consideramos boas atitudes. Acreditamos que, com o passar do tempo, as pessoas irão desenvolvendo mais aptidão em relação ao trabalho ou projeto específico que estejam envolvidas. Aliás, desde as entrevistas damos mais valor a atitude do que aptidão.

 

Aptidão é quanto a pessoa sabe em relação a assuntos específicos. Por exemplo, na área de métodos ágeis estão buscando candidatos conhecem: Scrum, técnicas de facilitação, formas de priorizar tarefas e requisitos, como fazer TDD, entrega continua, etc.

 

Atitude demonstra a forma como agimos. Atitude reflete o comportamento da pessoa, a sua intenção, o seu propósito. São muitos os buzzwords que emergem no mundo dos métodos ágeis: MVP, OKR, assessment disso, assessment daquilo, e inúmeros canvas (até eu já batizei um canvas). E isso provavelmente vai continuar assim, sempre surgindo novos termos.

 

“Embora a ThoughtWorks Brasil foque em potencial mais do que em experiência, a habilidade de aprender, e rápido, é crítica e necessária, justamente para desenvolver esse potencial em excelência de entrega.” Carol Cintra, diretora-presidente da Thoughtworks Brasil.

 

 

Não tem como uma pessoa ter aptidão em todos buzzwords da moda. Mas tão pouco deve se preocupar com isso. As pessoas aprendem. O ambiente que promovemos na ThoughtWorks ajuda com esses aprendizados e o desenvolvimento pessoal (aptidão) enquanto fomentam e valorizam as boas atitudes.

 

Aliás, um pitch comumente compartilhado entre os Thouhtworkers globalmente é: attitude, aptitude and integrity. (integridade é tema e assunto para mais conversas e mais posts).